O que é Tradição?

O conceito de “Tradição” é parte integrante da espiritualidade do Ocidente,  e constitui-se em elemento primordial a todos aqueles que desejam se aprofundar no raciocínio filosófico ocidental. Todavia, também é inegável que esse conceito tem sido usado de maneira muitas vezes deturpada na sociedade moderna, sendo associado a ideais políticos e filosóficos que lhe são completamente alheios.

Segundo Aquino (2013), a Tradição é parte integrante do homem ocidental, e influencia não apenas sua vida espiritual mas também todas as demais facetas de sua existência. Para o doutor angélico, a Tradição não depende do tempo e por isso é chamada também de “Filosofia Perene“; assim, sob a ótica judaico-cristã, a transmissão da Tradição remonta aos tempos dos primeiros apóstolos de Cristo, que se encarregaram de manter os valores cristãos resguardando-os de deturpações e os divulgando às gerações seguintes não só de maneira escrita (através dos escritos bíblicos), mas essencialmente de maneira oral (através do magistério eclesial).

Quando falamos de “Tradição”, não estamos nos referindo apenas a ideias políticas ou filosóficas; trata-se na verdade de algo mais amplo: a Tradição é a base Moral em que a espiritualidade do Ocidente se sustenta, e sobre a qual o homem ocidental orienta suas ações. Nesse sentido, a Tradição é algo vivo, dinâmico e presente (e não algo atrelado apenas ao passado); é o conjunto das “verdades reveladas de Cristo, que são imutáveis” (GAUDRON, 2011, p.234).

Por ser algo perene (e transmitido de geração à geração), a Tradição por vezes apresenta-se de formas diversas no mundo, de acordo com as características dos povos e sociedades em que se manifesta, fazendo com que seus valores sejam resguardados e mantenham a essência da mensagem revelada. No caso da espiritualidade do Ocidente, é através do Judaico-Cristianismo que a Tradição manifesta toda a sua plenitude ao longo das eras, mostrando ao homem ocidental a virtude da Verdade revelada (Cristo) através da Teologia e da Metafísica apresentadas pelo Catolicismo em suas diversas vertentes (Romana e Ortodoxa).

Diante do que foi exposto até agora, o que conhecemos atualmente como “Tradição Espiritual Ocidental” é um conjunto amplo de manifestações do conceito de “Tradição” na espiritualidade do Ocidente. Essas manifestações foram apresentadas ao longo da história humana, e por vezes afastaram-se ou aproximaram-se da Verdade revelada (Cristo), à medida em que pareciam compartilhar elementos comuns manifestados em culturas muitas vezes consideradas inconciliáveis. Essas diversas manifestações da Tradição na espiritualidade do Ocidente podem ser divididas em quatro grandes pilares culturais que apresentaram os valores tradicionais a diversos povos: o pilar pagão, o pilar egípcio, o pilar greco-romano e o pilar judaico-cristão. Esses pilares dialogam entre si, e muitas vezes promoveram intercâmbios culturais que fizeram a Tradição perpetuar-se na história humana, mostrando aos diversos povos (algumas vezes de forma comparativa; outras de forma transmitida) a relevância da mensagem de Cristo como o “cordeiro de Deus”.

É no pilar judaico-cristão da Tradição Ocidental que a Societas Hermetica Salomonica baseia todo o seu trabalho espiritual, orientando os estudantes interessados a adquirir conhecimentos teóricos e práticos a respeito da Metafísica e da Teologia Católica Romana, aprofundando seu trabalho espiritual e discernindo seus estudos de forma a os livrar de ideias estereotipadas e inverídicas a respeito da Filosofia Católica.